segunda-feira, 23 de novembro de 2015


Se eu morrer antes de você, faça-me um favor. Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por ele haver me levado. Se não quiser chorar, não chore. Se não conseguir chorar, não se preocupe. Se tiver vontade de rir, ria. Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão. Se me elogiarem demais, corrija o exagero. Se me criticarem demais, defenda-me. Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam. Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo. Se falarem mais de mim do que de Jesus Cristo, chame a atenção deles. Se sentir saudade e quiser falar comigo, fale com Jesus e eu ouvirei. Espero estar com Ele o suficiente para continuar sendo útil a você, lá onde estiver. E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase: Foi meu amigo, acreditou em mim e me quis mais perto de Deus! Aí, então derrame uma lágrima. Eu não estarei presente para enxuga-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar. E, vendo-me bem substituído, irei cuidar de minha nova tarefa no céu. Mas, de vez em quando, dê uma espiadinha na direção de Deus. Você não me verá, mas eu ficaria muito feliz vendo você olhar para ele. E, quando chegar a sua vez de ir para o pai, aí, sem nenhum véu a separar a gente, vamos viver, em Deus, a amizade que aqui nos preparou para Ele. Você acredita nessas coisas ? Sim? Então ore para que nós dois vivamos como quem sabe que vai morrer um dia, e que morramos como quem soube viver direito. Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo. Eu não vou estranhar o céu … Sabe porque ? Porque… Ser seu amigo já é um pedaço dele.

— Vinícios de Moraes.

domingo, 22 de novembro de 2015

Desejos de Arthur

Ajeitei-me na cadeira e comecei a escrever. 
As palavras saíam do meu coração e iam direto às minhas mãos, não parando em minha cabeça para uma análise criteriosa. Aquelas palavras, abarrotadas de sentimentos, seriam lidas por alguém importante; alguém que ficara ao meu lado em todos os momentos da minha vida (bons e ruins).
Escrevi durante uma hora, e, a cada palavra escrita, vinha-me à mente o clichê: o sorriso que ela dará ao ler isto finalizaria guerras seculares.

Escrevi com amor;
escrevi com o coração;
escrevi sem me prender muito à ortografia;
escrevi com o intuito de mostrar meu amor.
Escrevi. Apenas escrevi… E ela amou.


Às vezes é bom dar uma pausa e escrever uma carta transbordando de sentimentos a uma pessoa amada. Você ‘fecha os olhos’ e escreve; escreve sem dar tanta importância à ortografia; escreve com o coração; escreve imaginando o lindo sorriso que a pessoa dará ao ler suas doces e gentis palavras colocadas suavemente no papel. 
As palavras são importantes em qualquer tipo de relacionamento, e, quando usadas cuidadosamente, são capazes de aliviar a dor de quem as leem ou apenas fazer o leitor voar sem sair do lugar.
Escreva uma carta a uma pessoa amada. É saudável.

— Bruno Estevam

sábado, 21 de novembro de 2015

Desculpa, eu não consigo, eu não posso me fazer infeliz, eu não posso te fazer infeliz. Chega de insônia, chega de palavras presas na garganta, chega de produzir um câncer. Eu não quero mais essa vida. Não quero mais o seu gosto. Não quero mais mentir. Sei que não existe nada daquilo de perfeição, mas só quero poder me sentir confortável. Com você eu represento o tempo todo, tento ser quem você quer e não quem eu sou. Tudo isso porque você espera muito de mim. Pelo amor de Deus, não espera nada de mim, nem eu espero nada de mim, para com isso, chega, não aposta no meu cavalo, não deposita esperança aqui, daqui não sai nada, eu só quero ser eu sem me preocupar em agradar ou desagradar alguém. Uma vez me disseram como é difícil se relacionar. E eu sei que sim, sei que é. Por favor, não me pede pra ficar, pra voltar, pra não ir. Eu vou. Preciso ir. Você precisa me deixar ir. Segue com a sua vida, eu sigo com a minha. Te desejo sorte. E amor. Me deseja sorte. E que um dia eu consiga ser amada, porque hoje eu não estou conseguindo, não.
— Clarissa Corrêa.  
Em um mundo 
repleto 
de porquês, 
você reflete
E inverte 
o que é pra ser.
Sua casa 
coberta de marcas, 
manchas 
enrugadas. 
Paredes 
umedecidas,
entristecidas 
com suas mágoas.
Um lar 
oculto 
por hipocrisia. 
Você se esconde 
em seu quarto 
e escapa 
da sua paralisia
em um travesseiro 
cheio de sonhos 
E um coração 
cheio de alergias.
Os Versos de Louise Briguet.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Pra começar, cada coisa em seu lugar, e nada como um dia após o outro. Pra quê apressar? Se não sabe onde chegar. Correr em vão se o caminho é longo. Quem se soltar, da vida vai gostar, e a vida vai gostar de volta em dobro. E se tropeçar do chão não vai passar. Quem sete vezes cai levanta oito. Julga saber, e esquece de aprender. Coitado de quem se interessa pouco. E quando chorar, tristeza pra lavar. Num ombro cai metade do sufoco. O novo virá pra re-harmonizar. A terra, o ar, água e o fogo. E sem se queixar as peças vão voltar pra mesma caixa no final do jogo. Pode esperar. O tempo nos dirá que nada como um dia após o outro.
— Tiago Iorc.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Você quer mesmo morar comigo?


"Sou eu, de novo. Foi mal, precisei sumir um tempo. Você me pegou de surpresa e eu tinha de pensar. Por isso não atendia telefone, campainha, carteiro e tudo isso. Mas aposto que você nem chorou. Não como eu chorei. Você nem é disso. Então, dei esse tempo pra mim. Pra nós, principalmente. E resolvi aceitar sua proposta, se tiver de pé. E aí, você quer mesmo morar comigo? Se não mudou de ideia, estou pronta. Falei com minha mãe. Ela disse que não era bem assim, que eu ia me arrepender, que tudo tem seu tempo. Mas bati o pé. Disse que estava decidida. Tudo no seu tempo, mas do meu jeito. Viu como é quando quero uma coisa? Vai se acostumando. A coisa está um inferno por aqui. A velha achou mais um nódulo e vai fazer uns exames na terça-feira. Deve ser benigno outra vez, mas ela quer porque quer ter um câncer. Na boa, não deve ser o sonho de toda mãe, mas certamente é o da minha. Essa será a sua sogra, o que você acha? Dá tempo ainda de mudar de ideia, só me avisa. Senti sua ausência. Quero dizer, minha ausência. Mas foi bom. Se ficar longe foi essa tortura, ficar tão perto não deve ser tão ruim assim. Mas ainda não penso que seja amor, não me convenci disso. É melhor. Sei lá, a palavra “amor” me remete a uma casa, um homem e uma mulher, cachorros, contas a pagar, planos de morar num lugar maior. Não dá pra ser amor entre duas crianças grandes num apartamento de um quarto só, dá? Tem muito mais entre a gente, essa incógnita de dois que sabem que não foram feitos pra durar. Você não quer saber nada do meu passado, eu quero saber do seu, mas você quase não abre a boca, e só diz o que interessa. Mas tudo bem, de verdade. Ou bom ou pra sempre. As duas coisas são incompatíveis. Minha mãe disse que não ia dar certo. E eu nem falei nada. Contei apenas que ia morar com alguém, pra dividir as despesas, essa coisa de preciso-do-meu-espaço, de ser independente e blá-blá-blá. Mas a coroa sacou na hora. Ela sabe que sou individualista, que gosto de comida na hora, que me nego a pagar a luz. Era meio óbvio que a força motriz só podia ser algo maior, não é? Mas deixei ela pensando o que quisesse, como ela faz com os abcessos achando que é algum tipo letal de sarcoma. As brigas podem esperar, não é? Diz alguma coisa. Voltei a ir na minha analista. Eu sei que você a odeia, diz que ela quase destruiu a gente uma vez, mas para de ladainha, poxa. Ela me ajudou. Sério! Esse negócio de deixar minha mãe pra trás. Racionalizei a minha culpa e percebi que estava sendo idiota. O que separa o passado inaceitável do recomeço inevitável é o período em que você para de negar e se permite sentir raiva. Muita raiva. Não foi bem isso que ela falou, mas foi o que entendi. Ou quis entender. Eu queria morar contigo e pronto. Tem lugar para os meus sapatos? Talvez aquela ideia de pendurar tudo num saco pra fora da janela não seja tão estúpida. Brincadeira. Aposto três meses de aluguel adiantado que você consegue lugar pra mim dando um jeito naquele seu roupeiro. Você pode doar algumas camisetas, as mais desbotadas, ou seja, quase todas. Agora me dei conta do que falei, então não pensa que já estou tentando te mudar, óquêi? Acho que semana que vem estou pintando aí. Estou com vontade da tua boca. Só me sinto segura perto dela, assim eu sei que ela não está fazendo bobagem por aí. Fez frio esses dias. Você não acha? E olha que já é novembro. Mas pra você tanto faz, nunca vi tão calorento. Seja julho ou fevereiro, você sempre acorda empapado. Anda com algum sonho ruim? É comigo? Se for, não me conta, não quero saber. Dormindo contigo, eu nunca me sinto gelada, pelo menos, adoro acordar de manhã com a lombar cheia do seu suor. Aliás, precisamos ver umas cortinas para o seu quarto. Opa, nosso quarto. Ainda não me acostumei. Vai levar um tempo. Tomara, porque se a gente começar a se sentir casado, vamos estragar tudo. Também pensa assim? Estou contando os dias. Quero sentir o cheiro da sua cama bagunçada de novo. E assistir você caminhar nu até o banheiro. Sua bunda é fofa. Não vamos ter filhos. Nunca. Tudo bem pra você? Se bem que nunca é uma palavra que não funciona nunca comigo. Nunca. Eu disse que nunca ia morar contigo. Que nunca mais queria te ver. Gritei uma vez pra você nunca mais tocar em mim, lembra? Mas é que você faz isso tão bem. É como se o meu corpo fosse teu. Um brinquedo que você monta e desmonta, vai mexendo nos parafusinhos, fuçando peça por peça, sem nem precisar ler o manual. Sei lá, não me pergunte como consegui dar essa desaparecida. Quando estava de pé queria ficar sentada, quando me sentava precisava levantar. É como dirigir à noite numa rua deserta e toda esburacada. Uma agonia doida. Um vazio. Uma vontade de sair da própria pele e telefonar, só pra te ouvir falando suas monossílabas pra dentro. Talvez resistisse mais, assinando uma tevê com mais canais ou engordando a geladeira. Mas eu só deitava e esperava. Se eu resolver outra vez ficar longe, pelo menos espero que me dê um bom motivo. Faz isso por mim? Digo, se for pra dar errado, você pode me fazer o favor de ferrar com tudo de uma vez? Me sinto ridícula escrevendo essa carta. Eu saí tanto de mim pra entrar na tua que até me sinto uma estranha dentro de mim mesma. E eu sempre tive medo de estranhos. Entende? Você está aí ainda? Você também deve estar achando patético ler isso. Te conheço. Eu não sei se você também não sabe o que mesmo estamos tanto esperando para nos encontrar."
- Gabito Nunes